domingo, 4 de abril de 2010









Ainda tinha na prateleira
um pouco da falta que ela me faz
Sobrara quase nada
e nada importava
nessas horas, os dias comportam a eternidade
as inversões de caminho
que eu poderia ter feito
ainda me tra(i)riam
ao mesmo lugar
com outras dúvidas
mas sem as mesmas respostas









11 comentários:

  1. Eu sempre ando sem as respostar, mas repleto de perguntas...
    Tem dias que parecem durar mais do que a eternidade mesmo, que dias...

    E teus comentários são sempre ótimos e super bem-vindos. A dor é mesmo um importante elo com a realidade...
    abraço!
    =]

    ResponderExcluir
  2. Eu acredito no efeito borboleta... caminhos direfentes nos levam a consequências diferentes. Talvez...

    ResponderExcluir
  3. O filme né Tamyle? Sim, lembrei-me da mesma coisa, porém não creio que devamos imaginar ''e se tivéssemos feito assim ...'' Isso de nada adianta, isso não muda o que passou.
    Sobre o texto, adoro a forma que você utiliza as palavras. Sem pre acho que o seu texto tem algo a mais do que o óbvio,mas cada um interpreta como bem entende e isso na minha opinião é que são as verdadeiras entrelinhas, tão citadas anteriomente no seu blog.

    ResponderExcluir
  4. Esta falta de ensaio nos tira o fôlego...resta sugar o que nos proporciona.

    ResponderExcluir
  5. Eu perguntei a Tamyle se "efeito borboleta" era passar semanas rastejando(fase larval) e 24 horas voando(borboleta).

    ResponderExcluir
  6. Nem sei ao certo pq o nome do filme é efeito borboleta, poderia levantar várias hipóteses, mas não vim aqui para questionar o nome (deixo isso para o meu amigo Hilário). A mensagem que ele nos passa é bem mais importante. Lembrei-me agora de um detalhe do filme: o personagem principal faz várias adaptações no tempo, cada atitude tomada tem uma conseqüência que muda o desfecho, porém ele nunca consegue alcançar seu propósito que é ficar com sua amada. No final das contas ele voltou “ao mesmo lugar, com outras dúvidas, mas sem as mesmas respostas”. Digo-lhes que tenho certeza de que o personagem do filme não se incomodaria de passar semanas no estado larval, para passar um único dia de vôo com sua amada.

    ResponderExcluir
  7. Sempre há sobras nas prateleiras. Mesmo que elas sofram certas mutações depois de um tempo.

    ResponderExcluir
  8. Ainda bem que há sobras nas prateleiras, assim podemos recordar... as vezes é a unica coisa que nos resta, o resquicio de felicidade.

    Adorei o blog

    ResponderExcluir
  9. Onde dariam os caminhos não feitos? Mudariam algo? Não sabemos, mas o que doí mais é uma prateleira "quase" vazia. O talvez ocupa muito tempo das nossas vidas e a saudade também.Eu gosto muito do teu texto.

    Sobre o meu último post que vc comentou lá no Eutímicas, qual música e filme vc se refere? Não entendi bem a relação com o texto.

    Sobre Caio F. Abreu, era(é) um escritor do Rio Grande do Sul da mesma época de Hilda Hilst. Gosto muito de um livro seu chamado Limite Branco, mas o mais famoso é morangos mofados. Ele é parecido com Clarice pq é intenso, no entanto, menos metafórico e mais moderno. O resto do texto da foto é assim:

    “Eu te amei muito. Nunca disse, como você também não disse, mas acho que você soube. Pena que as grandes e as cucas confusas não saibam amar. Pena também que a gente se envergonhe de dizer, a gente não devia ter vergonha do que é bonito. Penso sempre que um dia a gente vai se encontrar de novo, e que então tudo vai ser mais claro, que não vai mais haver medo nem coisas falsas. Há uma porção de coisas minhas que você não sabe, e que precisaria saber para compreender todas as vezes que fugi de você e voltei e tornei a fugir. São coisas difíceis de serem contadas, mais difíceis talvez de serem compreendidas — se um dia a gente se encontrar de novo, em amor, eu direi delas, caso contrário não será preciso. Essas coisas não pedem resposta nem ressonância alguma em você: eu só queria que você soubesse do muito amor e ternura que eu tinha — e tenho — pra você. Acho que é bom a gente saber que existe desse jeito em alguém, como você existe em mim.”

    ResponderExcluir
  10. Tem uma surpresinha pra você lá no meu blog! Passa lá!

    ResponderExcluir
  11. De quem seriam as lágrimas de quando chove? Minhas.
    E pra você, de quem seriam?

    ResponderExcluir

Rupturas no silêncio...