domingo, 2 de dezembro de 2012




Caminho do meio
meio do caminho
caminho sem volta
caminho das pedras
poeta da pedra no meio do caminho
caminho das índias
pedaço de mau caminho
pedaços de mim pelo caminho
caminho da felicidade
caminho do bem
contrabandeando o descaminho


Utopia para caminhar
caminhada para emagrecer
passos largos para pernas curtas
pequenas empresas para grandes negócios
mente pequena para grandes ideias
o verso do avesso
averso às versões de visões
(alheias)
divisões de si mesmo
travestida de outro
loucura maquiada de coragem
medo camuflado de prudência



A insônia encontra abrigo
no coração do insone
cujo sono é um amigo
que dorme e assim some
deixando versos
que soam como pontes
entre silêncios e solidões


Caminho do meio,
saia do meu caminho!
Não sou de meio termo
meias palavras
meia vida
meio assim

Um coração abatido
não pulsa meia batida
Algumas histórias terminam
com reticências,
mas as histórias sem fim
são um fim em si mesmo
(E o que nunca existiu não pode ter fim)














3 comentários:

  1. estava com saudade desse Hilário..

    ResponderExcluir
  2. "Não sou de meio termo
    meias palavras
    meia vida"


    Engraçado ver isso escrito por alguém que tem 'vida parte dois'.

    Saudade desse cantinho aqui.

    ResponderExcluir

Rupturas no silêncio...