domingo, 24 de janeiro de 2010






Até que a última canção seja cantada
Até que a última poesia seja escrita
Até que a última mulher seja amada


à sombra do passado incompleto
até se perceber no despropósito
como o grande propósito
A despretensão em achar que o destino
caberia alguma culpa
pelo fracasso
ou pelos acertos do acaso






5 comentários:

  1. Poxa, eu sempre me perco na discussão do acaso e do destino, ainda não descobri para qual lado eu pendo maism as sigo vivendo, em luta e cooperação com acaso e destino.
    abraço!
    =]

    ResponderExcluir
  2. Meu pai me disse uma vez que "É muito comum, ao (...) passarmos por situações difíceis, buscarmos um entendimento acerca dos motivos que fizeram com que aquilo ocorresse. (...)precisamos apontar um responsável (...) Esse alguém pode ser uma pessoa de fora, o destino, Deus, ou nós mesmos...(...)"

    Acaso ou destino...sempre procuramos um culpado.

    Quanto ao inicio do ano; como li no flog de uma amiga "Tenho que mudar o calendário; porque, pra falar a verdade, foi só isso que mudou"
    [ate que chegue março, eu me sinto assim].

    ...
    hoje eu to cheia de referencias.

    enfim, atualizei o blog. ;)

    ResponderExcluir
  3. Mas até que a última palavra seja escrita, tudo ainda permanece...

    ResponderExcluir
  4. Li em algum lugar uma frase que dizia mais ou menos que "a culpa é minha e eu ponho em quem eu quiser". Acho que o destino é um dos alvos preferidos da maioria das pessoas, levando essa culpa por marés boas ou ruins. Agora, lendo suas palavras, eu percebi que geralmente não se costuma culpar o destino pelos fatos efêmeros. Destino geralmente é coisa grande, é D maiúsculo. Acho que a simplicidade das pequenas coisas do hoje falam muito mais que a magnitude dos grandes acontecimentos de um destino que levará ao amanhã.

    ResponderExcluir
  5. Gosto muito.

    Legal aqui, hein?

    http://eutimiaasavessas.blogspot.com/

    Beijo

    ResponderExcluir

Rupturas no silêncio...